Fatura de Energia para Migrar para o Mercado Livre - Energês
Menu fechado

FATURA DE ENERGIA NA PRÁTICA PARA MIGRAÇÃO ACL

Todas concessionárias devem apresentar na fatura de energia dados importantes para o consumidor, como por exemplo: consumo, preços, impostos e indicadores de qualidade de energia. 

Cada distribuidora possui uma formatação de fatura, mas isso deve ficar claro para o consumidor. Se você digitar o seguinte no Google: “Entenda sua conta + Sua Distribuidora” você encontrará o descritivo de como sua distribuidora formata a fatura, onde está cada item e o que ele significa. 

fatura de energia

Já expliquei anteriormente na nossa série Entendendo a Fatura de Energia:

– Parte 1 (conceitos iniciais, grupo, posto e modalidades tarifárias)
– Parte 2 (itens que compõem as faturas do Grupo A e B)
– Parte 3 (análise de faturas convencionais)
– Parte 4 (análise de faturas com micro e minigeração distribuída)
– Parte 5 (análise de faturas pertencentes ao Mercado Livre de Energia)

E agora vou te mostrar os 5 itens importantes para avaliar em uma viabilidade de Migração para o Mercado Livre.

No caso do Grupo A, temos a distinção dos subgrupos, as modalidades tarifárias Verde ou Azul, postos tarifários, demanda contratada e consumo de energia.

Como exemplos utilizamos duas faturas de energia uma da Concessionária Copel e Energisa, respectivamente. 

Veja como encontrar esses itens na prática:

Copel
Energisa

1 - Grupo Tarifário

Primeiro identifique na fatura qual o grupo tarifário que você pertente. No caso do Grupo A, temos a distinção dos subgrupos A1, A2, A3, A4, AS.

2 - Modalidade Tarifária

Depois, identifique na sua fatura de energia o campo onde está a modalidade tarifária enquadrada (horária azul ou verde).  

Caso não encontre demostrado na fatura de energia a modalidade, uma dica é avaliar a demanda contratada, pois, se sua modalidade for azul: Há 2 demandas (Ponta e Fora Ponta) se Verde: Demanda Única.

3 - Postos Tarifários

Após verifique a quantidade de consumo em um intervalo de tempo, expresso em kilowatt-hora (kWh). Ou seja, haverá a descrição do Consumo na Ponta e Consumo Fora Ponta, ele pode estar dividido em TE e TUSD ou não.

Procure então na sua fatura de energia a informação referente a este consumo na ponta e fora a ponta. Cada distribuidora utiliza abreviações e siglas diferentes para descrever os itens. As siglas para esses componentes podem ser “CNP” – Consumo na Ponta, “CNF” – Consumo Fora da Ponta, “ENERGIA ELET CONSUMO”, “ENERGIA ATIVA”, “CONSUMO ATIVO” etc.

4 - Demanda Contratada

Já em sequência, analise a potência elétrica ativa a ser obrigatoriamente e continuamente disponibilizada pela concessionária, no ponto de entrega, pensando na máxima potência que deve ser disponibilizada.

Será Demanda única ou Demanda Ponta e Fora Ponta, a depender da modalidade.

Geralmente está como “DEMANDA” ou “DEMANDA CONTRATADA” na descrição do quadro principal e poderá ser encontrado um histórico das demandas no último ano.

5 - Histórico de Consumo

Por fim, analise a quantidade de energia consumida por mês expressa em kWh.

Identifique na fatura de energia o campo com o histórico de consumo, ali você encontra o consumo mensal do último ano. Essa informação estará em um quadro específico da fatura e pode ser representada graficamente.

Na prática tudo fica mais fácil não é?

Agora você já tem todo o conhecimento para entender a sua fatura de energia e avaliar o seu perfil de consumo. Todos esses itens, são essenciais para iniciar o processo de estudo de viabilidade de migração de um consumidor cativo para o mercado livre de energia.

E se você Energista, quer aprender tudo sobre o Mercado de Energia, Mercado Cativo e Mercado Livre, conheça nosso curso de Mercado de Energia.

Até breve!
Joi e Equipe Energês.

 

Siga-nos e compartilhe a informação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
1
Fale conosco
Olá 👏
Como posso lhe ajudar?