Tudo sobre o Marco Regulatório (Lei) do Gás Natural - Energês
Menu fechado

TUDO SOBRE O MARCO REGULATÓRIO DO GÁS NATURAL

Olá Energista! Se você acompanha o setor energético já deve ter ouvido falar do Marco Regulatório do Gás Natural.

A nova Lei foi sancionada em Abril/2021 e representa uma mudança importante para o segmento.

Então vou te mostrar tudo sobre a nova Lei do Gás, o que mudou e os impactos no mercado de energia!

Nova Lei do Gás

De antemão, foi sancionada a Lei 14.134/2021 (a partir da aprovação do PL 4.476 de 2020) que traz diretrizes para um novo marco regulatório do setor de gás natural do Brasil.

Mas o que isto impacta na nossa energia?

Então, Energista, primeiro devemos entender a relação do gás natural com o consumo industrial e o pré-sal.

Antes de avançar no assunto, vou te explicar um pouco sobre a diferença entre matriz elétrica e matriz energética (para saber mais acesse aqui).

No consumo industrial, o gás pode representar entre 20% a 40% do custo de produção nas indústrias. Isto significa que, em diversos segmentos, o gás natural é a principal matéria-prima e insumo energético.

Ademais, existe uma grande expectativa em relação ao aumento da produção de gás natural associados aos campos do pré-sal e também de países de regiões vizinhas.

E o que isto tem a ver com o setor elétrico?

Bem, o gás natural é a principal fonte de transição para uma matriz elétrica mais limpa. Isto acontece porque ele substitui os fósseis mais poluentes como o óleo diesel e carvão mineral.

Isto pode ser uma importante alternativa de demanda âncora para as térmicas a gás fornecerem confiabilidade de fornecimento.

O que muda com a Nova Lei do Gás

O sistema atual consiste na Petrobras exercendo um papel dominante em todas as etapas do processo de gás, envolvendo desde a produção e extração até a distribuição. É a chamada verticalização.

Portanto, a nova Lei do Gás propõe justamente o processo de desverticalização: possibilita a entrada de novos fornecedores de gás natural e evita a concentração de mercado.

Ou seja, a mudança traz mecanismos para estimular a competitividade e ampliação do mercado por meio da eliminação de barreiras regulatórias e técnicas.

industria gás

Por que a Lei atrai novos players para o setor?

Resumidamente, os 5 principais pontos que motivam a ampliação da concorrência no setor de gás são:

  1. Desinvestimentos da Petrobras, reduzindo o seu papel dominante em todas as etapas da cadeia;
  2. Direito de acesso à infraestrutura de terceiros (por exemplo, gasodutos, terminais de GNL – Gás Natural Liquefeito e UPGNs – Unidade de Processamento de Gás Natural);
  3. Gasodutos poderão ser explorados mediantes a autorização e não mais concessão (ou seja, não há mais necessidade de licitação estatal);
  4. Fortalecimento da atuação do regulador (ANP), possibilitando um mercado de gás mais aberto e dinâmico;
  5. Regras para desverticalização: um mesmo grupo econômico não pode participar de empresas em diferentes segmentos da cadeia. A nova Lei também impede que empresas que atuam em monopólios naturais (transporte e distribuição) atuem nos elos concorrenciais.

Outra atividade que passa a ser exercida mediante regime de autorização (concessão) é a estocagem subterrânea de gás natural. De acordo com o Ministério de Minas e Energia (MME), esta mudança pode trazer grandes benefícios para o mercado brasileiro como a segurança no suprimento, a redução da volatilidade de preços, a flexibilidade na oferta, a redução de risco para os agentes.

Um dos principais obstáculos à competitividade da economia nacional é o Brasil ainda ter uma das mais altas tarifas de gás no mundo.

Aliás, no ano passado, o preço do combustível para o setor industrial ficou entre US$ 13,50 e US$ 14 por milhão de BTU (unidade térmica britânica), mais do que o triplo da média de US$ 4 praticada nos Estados Unidos e o dobro da dos países europeus.

Levantamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI) indica que, com uma queda de 50% nos preços, a indústria intensiva em energia triplicará o consumo de gás e poderá ampliar os investimentos em R$ 150 bilhões em 2030.

Agora, sem mais desculpas para não saber sobre a mudança do gás natural!

E se você quer se aprofundar mais e se tornar um expert no setor de energia, clique aqui e entre na Comunidade Energês.

Abraços e até a próxima.
Joi e Equipe Energês.

Siga-nos e compartilhe a informação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
1
Fale conosco
Olá 👏
Como posso lhe ajudar?